Stefan Molyneux’s Response to David Gordon’s Review “The Molyneux Problem”

[This is in response to David Gordon’s Mises Daily Article Reviewing Stefan Molyneux’s book “Universally Preferable Behavior: A Rational Proof of Secular Ethics” ~iambinarymind~]

—————————————————-

So it appears that I have been thoroughly called out by David Gordon at Mises.org, ridiculed for my “preposterously bad” reasoning, told that I should learn how to construct basic arguments, and been loftily informed that I have failed miserably in my philosophical goals. The article is called The Molyneux Problem, and it is a review of my free book Universally Preferable Behavior: A Rational Proof of Secular Ethics. (By the way, I have asked Mises.org whether they will publish this response, but I have received no reply.)

I must admit that I am always skeptical when a review starts with insults – when I studied acting and playwriting at the National Theatre School in Montréal, I was always told to “show it, don’t say it!” If my arguments are illogical, showing this will surely reveal my incompetence – the insults are unnecessary. The logical fallacy involved is called “poisoning the well.”

For instance, David writes in his second paragraph:

“…Molyneux does not succeed in his noble goal. He fails, and fails miserably. His arguments are often preposterously bad.”

Adjectives are not arguments; arguments are either valid or invalid, rational or irrational, empirically verifiable or immune from a null hypothesis – the words “miserable” and “preposterously” are not philosophical or rational terms.

So, let’s have a look at David Gordon’s criticisms of my book Universally Preferable Behavior: A Rational Proof of Secular Ethics.

He writes, when discussing my view of ethics:

These preferences, furthermore, have to do with morality, behavior that can be forcibly imposed on people. ‘Those preferences which can be considered binding upon others can be termed ‘universal preferences’ or ‘moral rules’” (p. 40).“

When I use the word “binding,” I am not referring to physical violence – otherwise I would use the word “enforceable” or “compulsory.” “Binding” means “having power to bind or oblige; obligatory: a binding promise.” It does not equal violence.

He then writes:

“Is there, then, behavior that is in his sense universally preferable?” (emphasis added)

“In his sense”? If I’m talking about universal preferences, I am not talking about subjective preferences, thus inserting the phrase “in his sense” moves the discussion from universal and objective to subjective and personal. This is like saying “Does Stef follow his own personal version of the scientific method?” If it is my own personal version, it is not the scientific method. If it is the scientific method, it is not my own personal version.

David then writes:

His first claim is that the very fact of engaging in inquiry over the existence of universally preferable behavior suffices to answer the question in the affirmative. If I am engaged in debate about this topic, must I not prefer truth to falsehood? An attempt to deny this leads to contradiction: ‘If I argue against the proposition that universally preferable behavior is valid, I have already shown my preference for truth over falsehood – as well as a preference for correcting those who speak falsely’ (p. 40).”

First of all, the word “claim” is incorrect. “Claim” is a weasel word designed to downgrade your opponent’s arguments – there is no philosophical content or value in the word “claim,” since it is by definition a statement with neither empirical or rational backing. A “claim” can be dismissed without argument, since it is not founded on arguments – since I make both prose argumentsand break those arguments down into a series of syllogisms, the correct word would be “argument,” not “claim.”

David then writes:

Molyneux is certainly right that someone who wants to discover whether universally preferable behavior exists, prefers, while trying to find the answer, truth over falsehood; but how does this generate a preference to correct others with mistaken views? Molyneux wrongly supposes that if someone wants to discover the truth, he must be in engaged in an actual debate with someone else. Why must he? Further, what has any of this to do with enforceable obligations, the ostensible subject of his inquiry?

Using the word “exists” is problematic, since I clearly state many times in the book that neither morality nor UPB “exists” in the way that trees or rocks do – but more importantly David has just ignored the actual words from my book that he just quoted a paragraph earlier.

What I wrote was, “If I argue…” David then substitutes “if someone wants to discover the truth” – which is not the same thing at all, and a complete straw man. “Arguing” is objective behaviour; “wanting to discover the truth” is an unverifiable subjective desire. Throughout the book, I repeatedly argue that thought is not subject to ethical judgement – only behavior, which is reflected in the title of the book – Universally Preferable Behaviour.

I fully accept that someone who wants to discover the truth about where he left his keys is not engaged in a philosophical debate, but so what? I also will concede that someone sitting in a darkened room attempting to remember something from his childhood is also attempting to discover the truth, but this has no bearing on a philosophical discourse about universally preferable behavior.

I spent quite a long time writing this book, and really picked my words carefully, which is why I used the phrase, “If I argue against the proposition that universally preferable behavior is valid…” and not “if I want to discover the truth in any context.” I don’t know exactly what to say about this kind of repetitive substitution and straw manning, other than that it seems clear that David is not being exactly objective about the book.

David then writes, “Further, what has any of this to do with enforceable obligations, the ostensible subject of his inquiry?”

Well, the answer to that is in the book, where I write in the chapter UPB: Ethics or Aesthetics?:

Although we first focused on UPB in the realm of ethics, UPB can now be seen as an “umbrella term,” which includes such disciplines as:

·         The scientific method

·         Logic

·         Empiricism

·         Debating

·         Language

·         Ethics

Ethics is the subset of UPB which deals with inflicted behaviour, or the use of violence. Any theory that justifies or denies the use of violence is a moral theory, and is subject to the requirements of logical consistency and empirical evidence.

If we can establish the validity of the concept of universally preferable behavior, we have come a long way towards establishing a rational system of ethics. So if David is bewildered as to what UPB has to do with ethics, he must have missed that part of the book, or misunderstood its relevance.

David then writes:

Molyneux has many more arguments on offer. How can we deny the existence of universally preferable behavior, he asks: does not life itself depend on it? “Thus it is impossible that anyone can logically argue against universally preferable behavior, since if he is alive to argue, he must have followed universally preferable behaviors such as breathing, eating and drinking.”

Is it not obvious that Molyneux has confused two different senses of “universally preferable behavior”? Biological laws are, as even our author elsewhere realizes, descriptive regularities; Molyneux fails utterly to show that acting in accord with such laws to keep oneself alive has anything to do with moral obligation.

As I write many times in the book, UPB is not synonymous with ethics – ethics is a subset of UPB. It is so obvious that biological laws are not the same as moral laws that I don’t even know really how to reply to it. Biological laws are involuntary, universal, objective, and scarcely need human or philosophical reinforcement. Moral laws are voluntary; I can choose to steal, but I cannot choose to be an amphibian. Exercise is a choice; the effects of exercise are not.

If you argue against the validity of UPB, however, when you are only alive because you have followed UPB (eating, drinking, sleeping), that is a self-detonating argument, the same as yelling into someone’s ear that sound does not exist.

This only proves the validity of UPB, not the subset called ethics. That is one reason why the book continues after this early argument. If the book ended with me saying, “You have to eat in order to live, and therefore you cannot steal!” well, that would be quite an incomplete argument, to say the least.

He next tries to dissect a paragraph I have written about universality:

“I also cannot logically argue that it is wrong for some people to murder, but right for other people to murder. Since all human beings share common physical properties and requirements, proposing one rule for one person and the opposite for another is invalid – it is like proposing a physics theory that says that some rocks fall down, while other rocks fall up. Not only is it illogical, it contradicts an observed fact of reality, which is that human beings as a species share common characteristics, and so cannot be subjected to opposing rules. (p. 44)”

Molyneux offers no argument that the rules of morality must respond only to the characteristics that define the human species. If someone proposed a rule of the form, “Human beings who meet such-and-such requirements, and not others, may kill under the following circumstances,” no doubt we should want to look at the reasons alleged for this claim very closely; but we could not dismiss the proposal outright because it draws a distinction between two classes of people. Arbitrary appeals to the laws of physics or biology have nothing to do with the case.

First of all, when David says that I make no arguments about why morality must apply to all human beings, that is entirely false. Please see the chapter “UPB: Optional and Objective.”

Secondly, if I propose a moral rule which says that redheaded people may murder every second full moon, then I have violated universality. This would be like a biologist saying that green spotted frogs become mammals for 10 minutes every second full moon. Other biologists would doubtless ask how frogs could change their essential physiology in order to be classified so differently. We cannot create arbitrary rules in philosophy, any more than we can in physics or engineering or biology or any other rational and empirical discipline. In the book, there is an entire chapter rebutting arbitrary distinctions:

In the same way, an ethicist cannot validly put forward the moral proposition: “It is evil to rape the elderly.” “Rape” is the behaviour; whether the victim is elderly or not is irrelevant to the moral proposition, since as long as the victim is human, the requirement for universality remains constant. “Thou shalt not steal” is a valid moral proposition according to UPB – “thou shalt not steal turnips” is not, for the simple reason that theft is related to the concept of property – and turnips, as a subset of property, cannot be rationally delineated from all other forms of property and assigned their own moral rule.

Perhaps David did not get to this part of the book, or perhaps he did not understand it, or perhaps he did not understand its relevance – he certainly did not quote or rebut it.

When David gets to my arguments against rape as UPB, he quotes me:

If “rape” is a moral good, then “not raping” must be a moral evil – thus it is impossible for two men in the same room to both be moral at the same time, since only one of them can be a rapist at any given moment – and he can only be a rapist if the other man becomes his victim. (p. 66)

Incredibly, Molyneux takes the rule he is considering to be one that requires people to be continuously engaged in rape. It never occurs to him to take the rule as mandating, “at some time or other, you ought to attempt rape,” an evil imperative that would escape his strictures. Evidently this construal would violate his bizarre requirements about universality: a morally required action is one that everyone must perform at the same time, all the time.

This is not my complete argument, although it is a challenging argument for most people to understand. Rape cannot be UPB because sexual penetration is only rape if it is unwanted – thus one man must want to rape, while the other man must desperately not want to be raped, which means that both of them cannot simultaneously value rape as universally preferable behavior. It certainly is true that it is physiologically impossible to rape all the time, which is empirical evidence for the invalidity of the theory that rape can be UPB – but more importantly, it is logically impossible for rape to be UPB.   David writes:   It never occurs to him to take the rule as mandating, “at some time or other, you ought to attempt rape,” an evil imperative that would escape his strictures.

This does not escape my strictures (and again, if they are my strictures, then we are talking subjective preference, not objective truth) – because as I repeatedly point out in the book, the word “universally” means “independent of time or place.” Thus when David says “at some time or other” he breaks universality, and thus is no longer talking about ethics. Again, this would be like a physicist saying “my universal theory is that on Wednesdays, between 2 and 3 AM, rocks fall upwards.”

David then writes:

Evidently this construal would violate his bizarre requirements about universality: a morally required action is one that everyone must perform at the same time, all the time.

I’m not sure what the word “bizarre” means here – universality by definition is independent of time and place, and so I don’t think that it is a “bizarre” requirement to ask that a universal theory apply all the time and everywhere. The scientific equivalent of David’s sentence would be: “it is a bizarre requirement that a universal theory about physics apply everywhere, and all the time.” Writing the word “bizarre” does not make something bizarre.

Then, David writes:

He deploys an analogous argument against a rule that made theft obligatory: people could not always and everywhere steal. He adds another consideration that is equally inept.

David provides no argument against my formulation of the ban against theft, but then says that another of my arguments is “equally inept.” In other words, he says, “You have a first argument – your second argument is equally inept.”

He quotes from my book:

In other words, working to gain control of a piece of property is only valid if you can assert your property rights over the stolen object. No one will bother stealing a wallet if he has certain knowledge that it will be stolen from him the moment he gets his hands on it. (p. 81)

This is one of a few arguments against “theft as UPB” in the book – a thief is both violating and affirming property rights when he steals, which is a logical contradiction.

He then writes:

This last sentence is entirely reasonable, but it has no bearing on the rule mandating theft. If people think that theft is obligatory, it by no means follows that anyone will succeed in taking away something you have stolen.

This is not my argument at all. The logical contradiction involved in stealing – the simultaneous violation and affirmation of property rights – does not require that someone else actually succeed in stealing from the thief. (The other argument I make in the book, that stealing cannot be UPB because property transfer must be opposed in order to be theft, is not addressed in this article.)

David then criticizes my treatment of property rights in the book, by quoting one paragraph and saying that my theory is incomplete. Well, I quite agree with him – one paragraph is an incomplete theory, which is why there is considerably more material on property rights in the book itself; you can check out the chapter title “The Third Test: Theft.” David complains that I have given “no account at all of how people initially gain title to physical objects external to their bodies.” I’m not sure if he missed the few pages in which I discuss this, which ends:

Since we own our bodies, we also inevitably own the effects of our actions, be they good or bad. If we own the effects of our actions, then clearly we own that which we produce, whether what we produce is a bow, or a book – or a murder.

Saying that my argument is incomplete by quoting only one paragraph is like proving that a book is scattered by only quoting footnotes.

David also takes great offense to my argument that we cannot rationally or empirically justify 50% property rights. He quotes me:

“The problem with any theory that argues for less than 100% property rights is that it instantly creates a ‘domino effect’ of infinite regression, wherein everybody ends up with infinitely small ownership rights over pretty much everything, which is clearly impossible” (p. 79).

He then writes:

By hypothesis, the first person has half ownership in what he has acquired. If this share is subject to further attrition, the original hypothesis has without justification been replaced with something else.

Well, since property rights are a subset of ethics, they must be universal – if universalizing 50% ownership causes ever-declining ownership, clearly the theory has some problems, to say the least. The fact that 50% ownership cannot be rationally sustained is entirely my point. His issue here seems to be with mathematics, not my book.

David’s last issue with the book comes with a deliciously catty aside:

Molyneux makes some good points against public education, but he would not be Molyneux if he did not give us a bad argument as well. “Since public schools are funded through the initiation of the use of force, they are a form of forced association, which is a clear violation of the freedom of association validated by UPB [universally preferable behavior]” (p.118, emphasis omitted). He is of course right that public schools funded through taxation rest on the initiation of force; but it does not follow from such funding that students are required by compulsory attendance laws to attend them. The funding does not suffice to make these schools a form of “forced association.” (emphasis added)

I don’t actually mention compulsory attendance laws anywhere in the book (I do mention that I was compelled to attend, but I do not make the claim that this is a universal legal compulsion.) When I’m talking about “forced association,” I am clearly referring to people being forced to pay for public schools, since that is the example given in the same sentence above.

Finally, David writes:

Despite the impression I have so far given, Molyneux is by no means stupid: quite the contrary. Therein, I suggest, lies the source of the problems of his book. Because of his facile intelligence, he thinks that he has a talent for philosophical argument and need not undertake the hard labor of learning how such arguments are constructed. Unfortunately for him and his book, he is mistaken.

I was disappointed that David did not discuss any of my seven ethical categories, my distinctions between ethics and aesthetics, my definition of evil, my justifications for the nonaggression principle, my distinctions between irrationality, lying and murder, the coma test I propose for an initial evaluation of moral theories, my eight premises for arguments and universality, the UPB approach to self-defense, and many of the other arguments put forward in the book.

As a final note, I also wanted to point out that although David rejected much of UPB, his article was entirely based upon an acceptance of UPB, in that:

1.    Truth is universally preferable to falsehood. i.e. it is not a subjective opinion, but arguments which conform to reason and evidence.

2.    It is universally preferable for my arguments to be rational, and not irrational.

3.    It is universally preferable for me not to contradict myself.

4.    In the realm of rational argument, success is universally preferable to failure, and success and failure are not subjective outcomes.

5.    I exercise 100% property rights over the creation of the book Universally Preferable Behavior: A Rational Proof of Secular Ethics (he refers to it as my book, and my arguments etc.)

6.    I am 100% responsible for the creation of the book, and for all of the contents therein.

These are just some of the many UPB assumptions built into the review; I think this is wonderful, and a full confirmation of the theory.

As I have to all the other critics of UPB, I extend to David my cordial invitation to have a public debate about the nature and purpose of ethics. I fully agree with him that it is an essential topic that we all need to continue to work on, and I think that a public conversation about rational ethics would be of great benefit to the entire community. David, when you see this, I really do look forward such an exchange.

Stefan Molyneux’s Response to David Gordon’s Review “The Molyneux Problem”

Anarquismo sem hífens

11893869_881374971948845_2091121066167441867_o

Há apenas um tipo de anarquista. Não dois. Apenas um. Um anarquista, o único tipo, conforme definido pela longa tradição e literatura da própria posição, é uma pessoa em oposição à autoridade imposta através do poder hierárquico do estado. A única expansão disto que me parece razoável é dizer que um anarquista se opõe a qualquer autoridade imposta. Um anarquista é um voluntarista.

Contudo, além disso, os anarquistas também são seres humanos e, como tais, contém as variedades infinitamente facetadas do caráter humano. Alguns são anarquistas que marcham, voluntariamente, à Cruz de Cristo. Alguns são anarquistas que se aglomeram, voluntariamente, nas comunas de figuras paternas queridas, inspiradoras. Alguns são anarquistas que buscam estabelecer as bases de uma produção industrial voluntária. Alguns são anarquistas que, voluntariamente, buscam estabelecer a produção rural dos kibbutzim. Alguns são anarquistas que, voluntariamente, buscam desestabelecer tudo, incluindo sua própria associação com outras pessoas; os ermitões. Alguns são anarquistas que comerciam, voluntariamente, apenas em ouro, nunca irão cooperar e irão esconder seu jogo. Alguns são anarquistas que, voluntariamente, adoram o sol e sua energia, constroem estufas, comem apenas vegetais e tocam o saltério. Alguns são anarquistas que adoram o poder dos algoritmos, jogam jogos estranhos e infiltram templos estranhos. Alguns são anarquistas que vêem apenas as estrelas. Alguns são anarquistas que vêem apenas a terra.

Eles florescem de uma mesma semente, não importando o desabrochar de suas idéias. A semente é a liberdade. E isso é tudo. Não é uma semente socialista. Não é uma semente capitalista. Não é uma semente mística. Não é uma semente determinista. É simplesmente uma afirmação. Nós podemos ser livres.

No demais tudo são escolhas ou sorte.

O anarquismo, a liberdade, não lhe diz nada sobre como pessoas livres irão se comportar ou que tipo de acordos elas farão. Ele simplesmente diz que as pessoas possuem a capacidade de fazer acordos.

O anarquismo não é normativo. Ele não diz como ser livre. Ele apenas diz que a liberdade, como tal, pode existir.

Recentemente, num jornal libertário, eu li a afirmação de que o libertarianismo é um movimento ideológico. Pode até ser. Num conceito de liberdade, ele, seus autores, vocês, ou nós, qualquer um, possui a liberdade de se engajar em ideologia ou qualquer outra coisa que não coaja outros, negando-lhes sua liberdade. Mas o anarquismo não é um movimento ideológico. É uma afirmação ideológica. Ele diz que as pessoas possuem a capacidade de serem livres. Ele diz que todos os anarquistas querem liberdade. E depois ele se cala. Após a pausa desse silencio, os anarquistas armam o palco de suas próprias comunidades e história e proclamam a sua ideologia, e não a anarquista – eles dizem de que forma, como anarquistas, irão realizar acordos, descrever eventos, celebrar a vida, trabalhar.

O anarquismo é uma idéia-martelo, destruindo as correntes. A liberdade é o que resulta e, em liberdade, o restante cabe às pessoas e suas ideologias. Não cabe à ideologia. O anarquismo diz, com efeito, que não há uma ideologia

dominante, com letras maiúsculas. Ele diz que as pessoas que vivem em liberdade tomam suas próprias decisões e realizam seus próprios negócios nela e através dela.

Uma pessoa que descreva um mundo no qual todos devem ou deveriam se comportar de uma mesma forma, marchando numa mesma formação, à mesma batida, simplesmente não é um anarquista. Uma pessoa que diz que prefere de certa forma, deseja que todos preferissem dessa mesma forma, mas que então diz que todos devem escolher, certamente é um anarquista. Provavelmente o é.

Liberdade é liberdade. Anarquismo é anarquismo. Ambos não são queijo suíço ou algo que o valha. Não são propriedade. Não possuem direitos autorais. São idéias antigas, disponíveis, parte da cultura humana. Podem ser hifenizadas, mas de fato não são hifenizadas. Podem existir por conta própria. São as pessoas que adicionam hífens e ideologias suplementares.

Eu sou um anarquista. Eu preciso saber disso, e você deveria saber. Afinal de contas, eu sou um escritor e um soldador que vive num determinado lugar, com certas pessoas e por certas convicções. E isso também pode saber. Mas não há hífen após o anarquista.

A liberdade, finalmente, não é uma caixa dentro da qual as pessoas devem caber. A liberdade é um espaço dentro do qual elas podem viver. Ela não diz como elas irão viver. Ela diz, eternamente, apenas que nós podemos.

— Karl Hess

Anarquismo sem hífens

A pergunta que nenhum estatista consegue responder

[Nota: O presente texto é a forma como decidi responder isso aqui.]

Eu tenho uma pergunta simples pros estatistas. Toda a filosofia dos caras é baseada na ideia de que o estado pode violar a propriedade privada porque “a democracia é o melhor sistema, exceto todos os outros”. E mais: segundo eles, se não fosse o estado violando propriedades através do uso unilateral da força, não seria possível a existência de uma sociedade pacífica. Isto é, uma sociedade pacífica depende de agressões para existir. A ideia é evidentemente estúpida, mas se utilizarmos certas frases (igualmente estúpidas), como “o homem é lobo do homem” ou “na prática são outros quinhentos”, pode ser que aparentemos ter alguma razão quando criticamos aqueles que fazem oposição a isso.

Imagine que estamos em uma distopia Izzy Nobrista: um lugar onde um grupo de pessoas obteve o monopólio legal do uso da força. O sistema de justiça é monopolizado por esse grupo, isto é, este é o grupo responsável por dar a cada um aquilo que lhe é devido (mesmo que pra isso ele precise confiscar indevidamente recursos daqueles que “protege”). Dado que é um monopólio legal sob determinada faixa territorial, nenhum outro grupo pode assumir essa função. Qualquer pessoa que tentasse estabelecer e participar voluntariamente de algo diferente seria barrada com o uso da força e qualquer concorrente aniquilado.

Você é habitante de uma fazenda humana democrática e patriota. Entretanto, por problemas da vida, um homem desenvolveu esquizofrenia, perdeu tudo o que tinha e acabou tornando-se um morador de rua. Certa noite, enquanto andava numa das ruas controladas pela máfia monopolista, jagunços com distintivos, teoricamente responsáveis pela proteção dele, decidem agredi-lo sem que ele tenha feito nada de errado. Eles não deram chance alguma de defesa ao senhor de 37 anos. Toda a ação ficou claramente registrada por câmeras de segurança e todos os habitantes ficaram sabendo do caso. Ele faleceu dias depois por não resistir aos ferimentos.

Revoltados, os outros habitantes começaram protestos contra a ação da máfia. Afinal, de acordo com as regras prescritas pela própria instituição da qual os criminosos fazem parte, eles não têm o direito de agredir uma pessoa inocente (ao menos não sem utilizar o vocabulário adequado, como chamar “roubo” de “imposto”, por exemplo). Sendo você um defensor da democracia, também achou isso inadmissível e exigiu que a máfia estatal punisse os próprios membros.

Finalmente, os jagunços foram levados aos tribunais para responderem por um tipo de crime que, aparentemente, a máfia monopolista ainda não permitia legalmente. Apesar das claras imagens, a “justiça” precisou de três anos para decretar a pena. E qual foi a pena? Nenhuma. Após três anos, os jagunços que espancaram o homem indefeso foram absolvidos. A Máfia Suprema decidiu que o uso de força contra um homem pacífico com problemas mentais era legítimo, mesmo que esse uso de força tenha consistido em quase 10 minutos de agressões contínuas.

Você, sujeito íntegro e defensor da democracia, certamente não gostou da decisão. Entretanto, hoje, graças ao aparato coercitivo (que você defende) estabelecido no território em que você reside, esses jagunços vivem às suas custas e estão livres para cometer outros crimes. E aí fica a pergunta:

Como você garante que o estado fará justiça nessas situações?

Você vai para a rua protestar com mais alguns defensores da democracia. Alguns são presos. Outros, como você, esquecem-se rapidamente das constantes injustiças cometidas através do sistema que você defende e vão para a internet escrever textos estúpidos e trollagens direcionadas aos que propõem um sistema diferente.

Seja como for, no estatismo, a injustiça não é uma mera suposição.
A injustiça está amparada na lei.

A pergunta que nenhum estatista consegue responder

Combater as drogas é escravizar a população

O que é o combate as drogas, se não a mais pura violência? Violência contra toda a população, violência contra os usuários de drogas e a violência como consequência da mesma.

O estado precisa de recursos para manter a política de combate as drogas. Como instituição criminosa que é, obtém tais recursos ao espoliar a população. Usa a força contra pessoas pacíficas. Dessa forma, toda a população têm seu direito a propriedade violado para combater algo que muitas dessas pessoas inclusive não gostariam que fosse combatido. A primeira forma de violência do combate as drogas é o roubo em massa feito pelo próprio estado.

Depois de atacar toda a população, o estado conduz um ataque ao usuário. Atua de forma a impedi-lo de usar o corpo e a própria propriedade da maneira que desejar. Viola seu direito a vida, propriedade e liberdade implicando que uma opinião é mais valiosa que tudo isso. O indivíduo perde a soberania individual e torna-se mero escravo das opiniões transformadas em imperativos pelo estado. Os que concordam com tal arranjo apenas rezam para que as suas e não as outras opiniões tornem-se a norma. A luta destes não é pela liberdade, mas pelo poder de impor suas ideias.

Por fim, além de imoral, o combate as drogas é ineficiente. Enquanto há demanda, há mercado. Se o estado proíbe a venda, um mercado negro é criado. Diferentemente do mercado comum, o mercado negro recompensa os mais violentos. Enquanto os gastos chegam a níveis estratosféricos e o consumo se mantém o mesmo (pois o estado é ineficiente no combate), a violência só aumenta. Entre em algum portal de notícias qualquer e busque pela palavra “traficantes”. O número de tiroteios, assaltos, sequestros, mortes e até mesmo estupros envolvendo essa palavra é exorbitante. São notícias diárias sobre tal assunto. E tudo isso graças a proibição estatal.

comsum

A subversão da moral permite a subida de assassinos a um status de herói. Pablo Escobar era visto como um bom homem por parte da população da Colômbia. Traficantes são vistos como heróis por alguns jovens por agirem como um estado paralelo mais eficiente que o próprio estado. A proibição dá a eles a possibilidade de lucrar muito graças ao mercado mais restrito e, dessa forma, comprar pula-pulas para as crianças do local onde vivem, oferecerem presentes aos moradores. Mas muitos destes ainda são assassinos. Assassinos não deveriam ser tratados como heróis, mas a proibição das drogas possibilita isso ao dar poder a tais pessoas. Esse poder maligno é visto como uma vitória sob a fraqueza e passa a ser objeto de idolatria.

“O dano produzido a sociedade por maus hábitos não é nada comparado ao dano produzido pela violência do aparato estatal.” – Larken Rose

Combater as drogas é escravizar a população

Quem são os relativistas?

arist

 

O estado é a maior organização iniciadora de agressões contra pessoas pacíficas.

Se vamos falar de agressão, comecemos então a definir isso.

Defino agressão como qualquer ataque físico, roubo, sequestro, estupro e fraude.

Dessas formas de agressão, interessa-nos analisar a do roubo.

O roubo é a subtração não consentida realizada por um indivíduo a propriedade de outrem. Roubo é a tomada da posse de um bem alheio sem o consentimento do legítimo dono.

E o que é o imposto? Além de ser um dos meios pelos quais o estado se mantém, é também a subtração sem consentimento da propriedade alheia em benefício do estado, ou seja, em benefício de um grupo de indivíduos privados que alegam possuir o direito de monopolizar o uso da força e de legislar sob determinado território.

Mas questão é que o estado não é proprietário legítimo de nada. O estado não se apropria da terra como todos os outros indivíduos: misturando seu trabalho a ela. Nope. O estado se apropria de seu território da seguinte forma:

Art. 20. São bens da União:

I – os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser atribuídos;

II – as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em lei;

III – os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros países, ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham, bem como os terrenos marginais e as praias fluviais;

IV as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com outros países; as praias marítimas; as ilhas oceânicas e as costeiras, excluídas, destas, as que contenham a sede de Municípios, exceto aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental federal, e as referidas no art. 26, II; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 46, de 2005)

V – os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva;

VI – o mar territorial;

VII – os terrenos de marinha e seus acrescidos;

VIII – os potenciais de energia hidráulica;

IX – os recursos minerais, inclusive os do subsolo;

X – as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré-históricos;

XI – as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios.

Não pelo trabalho da terra, mas pela imposição através de um decreto. A partir de então, o estado se declara proprietário de todo aquele território que nunca tocou e advoga para si o direito de usar a força contra todos aqueles que ali habitam.

Apesar das discordâncias sobre como exatamente a propriedade deve ser definida, sabe-se, pelo menos, que um indivíduo não pode apropriar-se de algo por simples verbalização, ainda mais tratando-se de algo que já está na posse de outro.

O estado, portanto, nada mais é que um agressor, uma instituição financiada pela espoliação em massa. Um ladrão. Não matarás, não roubarás? O estado não respeita isso. Pelo contrário, o estado é justamente o assassinato, justamente o roubo.

Mas para os estatistas de direita nada disso importa. Apenas se preocupam em impor seus valores morais, como se pudesse haver moralidade sem liberdade. Dizem que bandido bom é bandido morto enquanto defendem o crime organizado disfarçado de legalidade.

Quem será que realmente está relativizando a moral por aqui?

Quem são os relativistas?

“Se você não gosta das regras do estado, então simplesmente pegue suas malas e vá para outro lugar!”

 

O estado é uma instituição detentora do monopólio do uso da força em determinado território. Dentre outras coisas, o estado consiste num pequeno grupo de pessoas espoliando e ditando regras para uma grande massa. Os estatistas, longe de serem indivíduos iluminados e cheios de sabedoria, são, na verdade, o pior tipo de criminoso existente.

Diferente do ladrão de rua, os estatistas não roubam-lhe explicitamente, mas tomam seu dinheiro na surdina. E, pior que o ladrão de rua, não deixam-lhe em paz após o ato do roubo, mas desejam continuar parasitando constantemente e dando-lhe ordens arbitrárias.

Ainda assim, uma grande massa apoia a existência de tal instituição. Mesmo que o estado só possa existir mediante o consentimento ativo ou passivo destas pessoas, elas ainda o apoiam.

Na verdade, muitas destas pessoas ririam de você caso você manifestasse suas opiniões contrárias a tal instituição. Afinal de contas, é perfeitamente normal que um grupo de pessoas viva as suas custas, que tome decisões por você, que erre em seu nome. E que, além de tudo isso, tem o poder de dizer-lhe o que você pode ou não consumir. De cercear suas liberdades individuais a qualquer momento que desejarem.

É claro que tudo isso só pode ser feito através de uma grande lavagem cerebral. Ninguém em sã consciência apoiaria tal arranjo. Cabe, portanto, aos libertários a tarefa de abrir os olhos daqueles que foram enganados pela propaganda estatal por tanto tempo.

Qualquer um que deseje provar-lhe a moralidade do estado irá falhar miseravelmente, pois o estado é imoral e não possui qualquer legitimidade para taxá-lo.

Um estatista ainda poderia argumentar que tal arranjo é apoiado pela maioria, mas isso é, na verdade, indiferente. Um ato não se torna menos criminoso caso muitas pessoas o apoiem. O assassinato, o roubo e o estupro não se tornariam atos melhores caso as pessoas resolvessem defendê-los.

Por fim, minha presença em determinado território não significa que eu concorde ou consinta com a presente situação.

Imagine que seu vizinho joga lixo no seu quintal. Caso você não se mudasse, isso significaria que você consente com aquilo? Não me mudo, não consinto com o lixo jogado em meu quintal e nem com as regras estatais.

A grande questão está na legitimidade de determinada pessoa (ou grupo de pessoas) em fazer as regras para determinado local. Antes de dizer que libertários devem sair de determinado local caso não concordem com as regras impostas pelo estado, estatistas devem provar a legitimidade do estado em realizar tal ato.

O que falta ser respondido é o por quê de pessoas pacíficas terem de sair enquanto aqueles que estão iniciando o uso da força possuem o direito de ficar e ditar as regras.

Como eles irão defender o roubo político e negar a legitimidade do roubo em suas vidas pessoais sem se contradizer, eu não sei. Cabe a eles tal malabarismo.

“Se você não gosta das regras do estado, então simplesmente pegue suas malas e vá para outro lugar!”